Agricultores familiares de Lagoa de Roça investem na agroecologia

Agricultores familiares do Sítio Canto do Galo, no município de Lagoa de Roça (PB), participaram, no dia 20, de um Dia de Campo sobre Agroecologia e Convivência com a Seca.

Eles conheceram práticas como produção de adubos naturais, minhocultura (produção de húmus), biofertilizantes, compostagem, hidroponia e avicultura alternativa.

Pelo menos 100 produtores participaram do evento, que contou com a participação do presidente da Emater, Giovanni Medeiros; o gerente regional da Emater em Areia, Auto Martins; Daniel Cavalcanti Paiva, representando a Secretario de Interiorização, diversos técnicos e extensionsistas rurais.

O agricultor João Pereira dos Santos (João Garcia), dono do sítio, depois de conhecer o funcionamento destas tecnologias, disse que começará a aplicar em sua propriedade rural as tecnologias, principalmente a hidroponia, para ajudar na alimentação do gado durante o período de estiagem. Ele disse que já usa a compostagem orgânica no cultivo de hortaliças.

Sobre a importância da avicultura na região, o presidente da Associação de Produtores de Avicultura Alternativa de Lagoa de Roça, Robson Pereira disse acreditar que essa é a alternativa para os agricultores da região, principalmente depois que for inaugurado o abatedouro que está sendo implantado com recursos do Projeto Cooperar. “A parceria com a Emater tem contribuído para que a avicultura se torne uma atividade rentável para o agricultor familiar”, afirmou.

Ainda segundo o dirigente da Associação, o trabalho de conscientização e organização dos agricultores pela Emater tem permitido que eles possam acessar os programas de compras governamentais, como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Também destacou a determinação do Governo do Estado em atender ao pleito e instalar o abatedouro de aves na região, o que permitirá agregar valores aos produtos, obter novos mercados e mais ganhos para todos.

Nas estações, além dos temas abordados, também houve discussões sobre as alternativas e convivência com a seca, com a produção de forragem hidropônica de milho em bagaço de cana com biofertilizantes. O evento contou com a participação na sua organização com os extenionistas Josué Vitorino, Cícero Cordão e Paula Francinete.

O agricultor Valdecir José Alves, também morador no mesmo sítio, disse que, devido à longa estiagem neste ano, dos 20 bovinos de engorda que tinha, ficou apenas com quatro. Mas com a produção de hidroponia, será possível ter ração em período de seca, com o cultivo de milho hidropônico. O outro agricultor, João Garcia, que cria vacas para produção de leite, disse que agora terá o cuidado de usar essa prática de plantação durante a seca, tendo em vista que consome pouca água.

Segundo o extensionista Eduardo Silveira Lucas Farias, coordenador da Chamada Pública da Borborema, a hidroponia consiste em cultivar as plantas sem solo, onde será fornecida uma solução nutritiva balanceada com água e todos os nutrientes essenciais ao desenvolvimento da planta. A técnica pode ser empregada de várias formas, sendo as principais: exposição das raízes a uma lâmina de solução sobre uma bancada ou uso de substrato inerte para a sustentação da planta, onde esta irá receber a solução nutritiva.

Várias espécies de verdura podem ser cultivadas através da hidroponia como: pepino, berinjela, agrião, rúcula, salsa, couve, repolho, feijão-vagem, brócolis, tomate, morango, mudas para silvicultura, plantas ornamentais e etc. Qualquer planta pode ser cultivada com esta técnica e outro grande segredo é que as atividades absorvem muito bem a mão-de-obra familiar, seja de idosos, jovens, crianças, homens, mulheres, deficientes
(Fonte: Emater-PB)
Postada em 28/02/2013
  • Usuário:
  • Senha:
CADASTRAR Esqueceu sua Senha?